Novas publicações

Seguem abaixo os artigos publicados, recentemente, por integrantes do GEISC.

Confira:

ComunicAção & InformAção, da UFG – [Link]
Autor: Mateus Vilela
Título: O projeto brasileiro de TV Digital: as mudanças nas mensagens através da teoria mcluhiana
Resumo: O artigoa discorre sobre o projeto brasileiro de TV Digital nas suas mudanças de som e imagem, bem como, na inclusão da interatividade e, por conseguinte, no fim dos conteúdos lineares. Para entender as transformações que a migração da tecnologia analógica para a digital trará às mensagens televisivas usar-se-á a teoria mcluhiana que coloca as inovações tecnológicas como elementos centrais nas mudanças de como percebemos as mensagens e de como moldamos nossos comportamentos.

Sessões do Imaginário, da PUCRS – [Link]
Autores: Mateus Vilela, Lírian Sifuentes e Tauana Mariana Jeffman
Título: O dia em que a internet congelou: Apropriações de Avenida Brasil nas mídias sociais
Resumo: O trabalho apresentado tem o objetivo de verificar de que modo a telenovela Avenida Brasil tem sido apropriada por internautas/telespectadores nas mídias sociais. Assim, buscamos compreender o cenário de interação entre televisão e internet que se verifica, atualmente, no Brasil. A análise empírica deste artigo baseia-se na repercussão em torno do 100° capítulo da trama, destacando o largo uso do recurso de congelamento de imagens no Twitter. Fica claro que mais do que suplantar uma à outra, TV e internet se inter-relacionam quando o tema é telenovela, um dos que mais desperta a atenção dos brasileiros.

Derecho a comunicar, México – [Link]
Autoras: Lírian Sifuentes, Bruna Rocha Silveira e Janaína Cruz de Oliveira
Título: Mídia e relações de gênero nas publicações feministas brasileiras
Resumo: O trabalho busca identificar a presença da problemática mídia e relações de gênero nos periódicos feministas Cadernos Pagu e Revista Estudos Feministas –as duas publicações feministas há mais tempo em circulação no Brasil–, realizando um levantamento dos artigos publicados no período de 2001 a 2009. Pesquisas no campo da comunicação, em que se diagnosticou que a temática das relações de gênero pouco se faz presente na área, conformaram nossa hipótese inicial de que há carência desse cruzamento. Essa pressuposição foi confirmada, pois poucos estudos demonstraram preocupação com a articulação entre mídia e feminismo nas publicações consideradas.

Galáxia, PUCSP – [Link]
Autoras: Ana Carolina Escosteguy, Lírian Sifuentes, Bruna Rocha Silveira, Janaína Cruz de Oliveira e Helen Garcez Braun
Título: Mídia e identidade de mulheres destituídas: uma discussão metodológica
Resumo: O objeto de estudo do projeto A visibilidade da vida ordinária de mulheres destituídas na mídia (CNPq) é configurado, por um lado, por um corpus de textos midiáticos, denominados de narrativas pessoais midiatizadas (ESCOSTEGUY, 2011) e, por outro, por uma pesquisa de campo. Esses dois vetores se articulam na principal questão de pesquisa: o que a visibilidade da vida ordinária de mulheres de posições sociais destituídas, na mídia, está produzindo em termos de identidade feminina na mesma classe social? Aqui, problematizamos somente os instrumentos metodológicos que serão aplicados na investigação empírica sobre os processos de conformação identitária feminina e sua vinculação com determinadas representações postas em circulação pelas mencionadas narrativas. Tomando como ponto de partida uma experiência de campo, utilizamos o relato de quatro informantes para discutir a estratégia metodológica experimentada.

Culturas Midiátidas, UFPB – [Link]
Autoras: Deborah Cattani Gerson, Beatriz Dornelles
Título: The i-Piauí Herald e o caso Cachoeira: um estudo sobre falso noticiário
Resumo: Este estudo apresenta uma análise discursiva sobre a abordagem feita pela revista Piauí, através do blog The i-Piauí Herald, em torno do caso Cachoeira, em forma de humor, com o uso da ironia e da ficção. O estilo do texto dessa publicação, para efeito deste estudo, foi por nós denominado de falso noticiário. Selecionamos três edições, relativas ao mês de março, abril e maio de 2012 para efetuar uma análise qualitativa e propor a inclusão desse formato de noticiário no gênero Diversional, conforme especificação de Marques de Melo e Assis (2010).

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s