GEISC no Intercom Sul 2016

Na última semana, pesquisadores do GEISC participaram do VII Congresso de Ciências da Comunicação na Região Sul, na PUCPR, em Curitiba. Na manhã de quinta-feira, dia 26, apresentaram suas pesquisas:
Cândida Schaedler, com o trabalho A revista brasileira em língua alemã Sankt Paulusblatt no contexto da Folkcomunicação, na sessão 2 do DT Estudos Interdisciplinares da Comunicação;
Mateus Dias Vilela, com o trabalho Uma voz que se propaga: Ações de Social TV e propagabilidade através do The Voice US, na sessão 1 do DT Rádio, TV & Internet;
Paula Rickes Viegas, com o trabalho Estereótipos de gênero e rupturas de sentido no discurso publicitário, na sessão 1 do DT Publicidade & Propaganda;
Samara Kalil, com o trabalho Emoções e afetos na rede: #vaitershortinhosim, na sessão 2 do DT Rádio, TV & Internet Sessão.

 

a185ca41-eb03-4809-8c3b-860b3a56e5eb

Anúncios

Reunião 17/05

Na reunião da última terça, 17 de maio, o doutorando Marcel Neves Martins apresentou para o GEISC o andamento de sua tese sobre a Copa do Mundo nas páginas de Zero Hora.

A pesquisa do acadêmico Marcel Neves Martins, estudante de doutorado do PPGCom da PUCRS, problematiza a construção de um sentido popular para a Copa do Mundo de 2014, no Brasil, pelo jornal Zero Hora, de Porto Alegre (RS). A hipótese do pesquisador é a de que para a tematização do megaevento esportivo Zero Hora, enquanto veículo que pode ser reconhecido pela prática de um jornalismo de referência, exercita um jornalismo em nível popular. Como trata-se de uma comunicação através de um elemento da cultura popular, que é o futebol, estaríamos diante de um processo de folkcomunicação, em que o folkjornalismo se realizaria pela capacidade dos jornalistas de trabalharem o conteúdo sobre a Copa 2014 de forma apaixonada, isto é, focada no emocional e no sensível, em detrimento da racionalidade, como característica da imprensa de referência. A investigação se debruça sobre o “Jornal da Copa”, suplemento de Zero Hora criado para a cobertura do Mundial do Brasil e que circulou como caderno especial de ZH do dia 12 de junho de 2014 ao dia 14 de junho de 2014. A metodologia empregada fez uso da Análise de Conteúdo, de Laurence Bardin e Roque Moraes, trabalhando-se cerca de 300 textos, entre notícias, reportagens e crônicas. A análise está sendo desenvolvida sobre seis eixos-temáticos: jogos, gente, Porto Alegre, protagonistas (jogadores e técnicos), Seleção Brasileira e polícia. A tese já conta com mais de 50% da análise concluída e tem previsão de conclusão em dezembro de 2016, com a defesa final da pesquisa. Da banca de qualificação participaram os professores Antonio Hohlfeldt (PUC), Sandra de Deus (UFRGS) e a orientadora do trabalho, a professora Beatriz Dornelles (PUC).

Sem título
Capa de uma das edições do “Jornal da Copa” analisadas por Marcel.

 

Estavam presentes Camila, Cândida, Mariana e Paula.

Reunião 03/05

Na reunião de hoje, o mestrando Danton Boatini Júnior apresentou o andamento de sua dissertação, para discutirmos e colaborarmos com questões referentes ao tema. Intitulada “O boato na era das redes sociais digitais: uma análise do caso Guarujá”, a pesquisa irá para qualificação no próximo dia 23.

Como as redes sociais digitais participam da manifestação de boatos? Tendo como objeto de estudo o caso Guarujá, essa é a pergunta que move a nossa pesquisa. O surgimento das redes sociais digitais, somado ao advento dos dispositivos móveis, provocou uma transformação na forma como nos comunicamos. O boato, “mídia mais antigo do mundo”, nas palavras de Kapferer, encontra-se adaptado a esta realidade, sendo veiculado em grande parte por meio destas plataformas de comunicação. Com base na sociologia compreensiva, procuramos entender como se deu essa manifestação no caso do boato sobre uma falsa sequestradora de crianças que agiria no bairro de Morrinhos, no Guarujá (SP). Motivados por este boato, publicado em uma página do Facebook, moradores do bairro lincharam a dona de casa Fabiane Maria de Jesus, de 33 anos, no dia 3 de maio de 2014 – embora nenhuma criança tivesse sido sequestrada naquela localidade. Fabiane morreu dois dias depois devido às lesões. O caso ganhou ampla repercussão dos meios de comunicação na época e suscitou um debate sobre a qualidade da informação que circula na rede

IMG_20160503_190543719_HDR

Estavam presentes Camila, Cândida, Danton, Juliano, Luana, Lúcia, Marcel, Mateus, Paula, Samara.