Integrantes do Geisc apresentam pesquisas no Intercom Nacional 2017

intercom2017Integrantes do Grupo de Estudos do Imaginário, Sociedade e Cultura (Geisc) apresentam pesquisas, nesta semana, no 40º Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação, que será realizado na Universidade Positivo, em Curitiba (PR), de 4 a 9 de setembro.
Confira, abaixo, a relação dos trabalhos a serem apresentados:

Presenças do imaginário anticomunista nos editoriais de O Estado do Maranhão
Aline Louise
GP Comunicação, Imagem e Imaginários
Link do artigo

O peso da leveza no imaginário de saúde: a berinjela no debate sobre produção de verdades na divulgação científica
Anderson dos Santos Machado
GP Comunicação, Imagem e Imaginários
Link do artigo

O Caso JBS: uma Análise de Enquadramento no Jornalismo Opinativo no Rádio
Bárbara Avrella
Thuanny Prado Cappellari
GP Rádio e Mídias Sonoras
Link do artigo

A editoria de Interior do Estado como elemento de reivindicação e promoção dos municípios interioranos gaúchos: análise do Correio do Povo na década de 1950
Cândida Schaedler
GP História do Jornalismo
Link do artigo

O Imaginário de Chanel: Os Regimes da Imagem na Publicidade de Chanel Nº5
Cláudia Farias Lopes Trintin
GP Comunicação, Imagem e Imaginários
Link do artigo

Contos de fadas na cultura de massa: A pequena sereia e the lure
Fagner Deport
GP Comunicação, Imagem e Imaginários
Link do artigo

Práticas educomunicativas no trabalho de jornalistas: um diálogo interdisciplinar
Ivana de Jesus Gehlen
GP Interfaces Comunicacionais
Link do artigo

“Tem que manter isso, viu?” Escândalo político e consequências econômicas nos editoriais de O Globo e Folha de S. Paulo
Luana Chinazzo Müller
GP Gêneros Jornalísticos
Link do artigo

13 Reasons Why e a Baleia Azul: O Suicídio de Jovens nas Páginas da Folha de S. Paulo
Mauren de Souza Xavier dos Santos
GP Jornalismo Impresso
Link do artigo

A Utopia do Diálogo Produtivo: Uma Reflexão Sobre a Formação dos Posicionamentos Políticos na Lógica da Exposição Seletiva
Patrícia Augsten
GP Comunicação e Cultura Digital
Link do artigo

Programa “Mister Brau” e o contra-agendamento: Quando a sociedade se impõe e pauta a mídia
Wagner Machado da Silva
Link do artigo

Anúncios

Geisc participa do Intercom Sul 2017

Oito integrantes do Grupo de Estudos do Imaginário, Sociedade e Cultura (Geisc) vão participar do Intercom Sul, que será realizado entre os dias 15 e 17 de junho, na Universidade de Caxias do Sul (UCS), em Caxias do Sul (RS).
Confira, abaixo, os trabalhos que serão apresentados:

Equidade e Televisão Pública: Uma Análise Sobre os Efeitos da Aplicação do Estatuto da Igualdade Racial no Programa Nação, Direcionado ao Público Negro da TVE
Wagner Machado da Silva
DT 07 – Comunicação, Espaço e Cidadania – sala 203, bloco E, sessão 1
15 de junho (quina-feira), 8h30 às 12h

Enquadramentos do anticomunismo nas eleições do Maranhão em 2014
Aline Louise Queiroga de Araujo
DT 08 – Estudos Interdisciplinares da Comunicação – sala 211, bloco E, sessão 3
15 de junho (quina-feira), 8h30 às 12h

Nunca Mais: As representações dos relatos da tortura na imprensa do Brasil e da Argentina
Luana Chinazzo Müller
DT 01 – Jornalismo – sala 205, bloco E, sessão 2
16 de junho (sexta-feira), 13h30 às 17h30

De Dose Em Dose: como o agendamento contribuiu na campanha de vacinação contra a gripe no RS em 2016
Mauren de Souza Xavier dos Santos
DT 01 – Jornalismo – sala 205, bloco E, sessão 2
16 de junho (sexta-feira), 13h30 às 17h30

Papa Francisco, a Arte e as Imagens: Análise do Documentário “Papa Francisco, o Papa do Fim do Mundo”
Jociane Marchesan Oling Ruviaro
DT 04 – Comunicação Audiovisual, sala 215, bloco E, sessão 1
16 de junho (sexta-feira), 13h30 às 17h30

Ubiquidade, mobilidade, conexão e selfies: os softwares estão entre nós
Samara Kalil
DT 05 – Comunicação Multimídia – sala 301, bloco E, sessão 1
16 de junho (sexta-feira), 13h30 às 17h30

A Ágora Contemporânea e o Debate Público: Uma Reflexão Sobre o Ciberespaço Como Uma Nova Instância da Esfera Pública
Patrícia Augsten
DT 05 – Comunicação Multimídia – sala 301, bloco E, sessão 1
16 de junho (sexta-feira), 13h30 às 17h30

O Jornalismo como Cultura: uma análise das Rádios Educativas 1080 AM (UFRGS) e Rádio Universidade 800 AM (UFSM)
Marizandra Rutilli (Universidade Federal de Santa Maria), Larissa Bortoluzzi Rigo (Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul), Keynayanna Kessia Costa Fortaleza (PUCRS), Ivana de Jesus Gehlen (PUCRS), Everton de Oliveira Cabral (UFSM)
IJ 01 – Jornalismo – sala 211, bloco E, sessão 1
16 de junho (sexta-feira), 13h30 às 17h30

Integrantes do Geisc apresentam trabalhos no Encontro da Alcar

Quatro integrantes do Grupo de Estudos do Imaginário, Sociedade e Cultura (Geisc) apresentam trabalhos no XI Encontro Nacional de História da Mídia (Alcar), que será realizado esta semana, entre os dias 8 e 10 de junho, na Universidade Presbiteriana Mackenzie, em São Paulo (SP).

Para se prepararem para o evento, as integrantes Bárbara Avrella, Cândida Schaedler e Ivana Gehlen ensaiaram suas apresentações, na última reunião do grupo, terça-feira (6). Os demais sugeriram alterações e fizeram perguntas.

Confira os trabalhos do Geisc a serem apresentados:

GT HISTÓRIA DA MÍDIA IMPRESSA

OS CAMINHOS DO JORNALISMO CULTURAL E OS SUPLEMENTOS LITERÁRIOS
Larissa Bortoluzzi Rigo (PUCRS)
Ivana de Jesus Gehlen (PUCRS)
Dia 9 de junho, 14h às 18h, sala 83 – sessão 1

RESUMO: Este artigo se propôs a percorrer a história do jornalismo cultural, promovendo uma revisão sócio-histórica em âmbitos mundial e nacional, para identificar os pontos de contato entre o jornalismo e a literatura por meio de pesquisa bibliográfica. Identificamos através da história, o percurso delineado pelo jornalismo cultural até chegar aos chamados suplementos literários ou cadernos de cultura, como atualmente são chamados no Brasil. Foi possível perceber a influência da literatura que em muitos momentos estabeleceu uma forte relação de proximidade com a produção jornalística noticiosa. Para subsidiar essa reflexão, ancoramo-nos em análises sócio-históricas realizadas por Sodré (1999); Piza (2004); Marcondes Filho (2012); Lima (2013); Bahia (1972); Romancini e Lago (2007), dentre outros.

VALORES-NOTÍCIA NA IMPRENSA DO INTERIOR DO RIO GRANDE DO SUL NO INÍCIO DO SÉCULO XX: ESTUDO PRELIMINAR DA GAZETA DE ALEGRETE
Cândida Schaedler (PUCRS)
Dia 9 de junho, 14h às 18h, sala 83 – sessão 2

RESUMO: Embora os valores-notícia não estivessem categorizados no início do século XX, sua influência já era evidente na imprensa do interior do Rio Grande do Sul. Com o intuito de pesquisar a história das práticas jornalísticas interioranas, este artigo estuda quais valores-notícia predominavam e de que forma apareciam na Gazeta de Alegrete, de Alegrete, na Região da Campanha. Para tanto, conduzimos uma análise de conteúdo em exemplares dos anos de 1905 e de 1908, para mostrar uma aplicação preliminar do que será, posteriormente, uma dissertação de mestrado. Os resultados apontam para a predominância dos valores-notícia de proximidade e de notoriedade.

PAULO EVARISTO ARNS: A MORTE DO CARDEAL DA RESISTÊNCIA NO EDITORIAL DA FOLHA DE S. PAULO
Luana Müller (PUCRS)
Dia 9 de junho, 14h às 18h, sala 83 – sessão 1

RESUMO: Falecido em 14 de dezembro de 2016, o Arcebispo Emérito de São Paulo Dom Paulo Evaristo Arns, símbolo de luta pela defesa dos direitos humanos, é uma personalidade que, fazendo referência a Getúlio Vargas, nem precisou sair da vida, para entrar na história. Por seu papel histórico em diversos momentos, principalmente durante a ditadura militar, sua morte causou comoção e homenagens na mídia brasileira. O presente artigo propõe uma Análise de Conteúdo (AC) do editorial “Paulo Evaristo Arns”, publicado na Folha de S. Paulo, no dia posterior ao falecimento do cardeal. Por meio da AC, a pesquisa visa ir além das palavras escritas, ao desvelar o encoberto da narrativa. Para isso, a análise se apoia também em outros textos do veículo, historicamente ligados ao conteúdo mencionado pelo editorial.

GT HISTÓRIA DA MÍDIA SONORA

O RÁDIO EM AMPLITUDE MODULADA: TRAJETÓRIA E POSSIBILIDADES
Bárbara Avrella (PUCRS)
Dia 10 de junho, 8h às 12h – sessão 2: Radiojornalismo, Migrações e História

RESUMO: Este trabalho aborda a trajetória do rádio em ondas médias (OM), popularmente chamado de amplitude modulada (AM). Utiliza-se como apoio teórico estudos históricos e também da atualidade relativos ao veículo radiofônico e especialmente às rádios em AM. Também, destacam-se as adaptações pelas quais as emissoras em ondas médias passaram com a chegada da frequência modulada (FM), dedicando-se especialmente ao jornalismo; a inserção do rádio na internet e, agora, a migração para o FM. Pode-se perceber que as estações em amplitude modulada passaram por diversas transformações técnicas e de programação durante sua existência. Hoje, com a justificativa de tornar as rádios que operam em AM mais competitivas, o Governo brasileiro publicou um decreto a respeito da migração para as faixas em FM. Este é um estudo estritamente teórico, de abordagem qualitativa, em que se utiliza como procedimento metodológico a pesquisa bibliográfica.

Reunião do dia 23/05 – Experiências de pesquisa da Camila Kieling

20170523_181152

Na última reunião do Grupo de Estudos do Imaginário, Sociedade e Cultura (GEISC), realizada na terça-feira passada (23), recebemos a agora doutora em Comunicação Social Camila Kieling, para dividir sua experiência enquanto aluna de mestrado e doutorado na Famecos/PUCRS. Atualmente, ela leciona na mesma instituição de ensino. Em 2008, foi uma das membras-fundadoras do GEISC.

Camila já havia participado de uma reunião do GEISC no final do ano passado, na qual dividiu sua pesquisa de doutorado, que estava em fase final. Porém, como este ano o grupo foi praticamente todo renovado e há integrantes interessados na pesquisa que ela desenvolveu – cujo tema foi imaginário, ditadura e história do jornalismo -, resolvemos convidá-la novamente.

Nossa próxima reunião está marcada para o dia 06/06.

Cronograma das reuniões 2017/1

25/04 – discussão sobre texto “Noções do imaginário: perspectivas de Bachelard, Durand, Maffesoli e Corbin”.

09/05 – apresentação de Deborah Cattani, sobre a experiência de doutorado em Portugal.

23/05 – discussão sobre bolsas de doutorado-sanduíche e cursos no exterior.

06/06 – ensaio para Alcar e Intercom Sul.

20/06 – encerramento.

As reuniões são sempre às 17h30, na sala 301, no prédio 7 da PUCRS (com exceção do dia 25/04, que será às 18h15).

CRONOGRAMA GEISC 2013/02

Este cronograma foi decidido a partir da reunião realizada dia 12 de agosto de 2013, com a participação dos colegas presentes. Como ainda existem datas em aberto, a este cronograma podem ser incorporados outras atividades.

28/08 – Quarta-feira: Mapeamento do GEISC

12/09 – Quinta-feira: apresentação dos projetos de Angelo e Márcia

24/09 – Terça-feira: Lírian contando sua experiência no Doutorado Sanduíche (a confirmar)

09/10 – Quarta-feira: apresentação dos projetos de Marcel e Karina

24/10 – Quinta-feira: apresentação do projeto de Isabella. Ainda há disponibilidade para mais outra apresentação

Semana SEICOM – Possibilidade de desenvolver alguma atividade

13/11 – Quarta- feira: Ainda em aberto

26/11 – Terça-feira: Ainda em aberto

XI Semana da Imagem na Comunicação

O pesquisador e doutorando Mateus Vilela apresentou trabalho na XI Semana da Imagem na Comunicação, no grupo de Audiovisual. Confira o resumo expandido abaixo.

A CULTURA DA MOBILIDADE E A TELEVISÃO DIGITAL: A IMAGEM TELEVISUAL NOS DISPOSITIVOS MÓVEIS

A tecnologia digital em dispositivos móveis é bastante difundida na sociedade: celulares, tablets e computadores portáteis permitem que os indivíduos tenham acesso e distribuam informações de maneira rápida, constante e em qualquer lugar. Os meios de acesso pessoal estão, cada vez mais abandonando o ambiente doméstico, tomando as ruas e possibilitando um acesso always on. Mais recentemente, a ação do digital sobre os meios se deu em uma mídia tipicamente doméstica, a televisão, que com a digitalização, começa a ganhar as ruas através da possibilidade de recepção em dispositivos móveis.

Ao optar, com algumas adaptações, pelo padrão japonês de TV digital, questões como a transmissão móvel, nas figuras da mobilidade e da portabilidade são privilegiadas. É importante ressaltar que os dois conceitos, apesar de tratarem sobre a mobilidade, são distintos: enquanto a mobilidade é a transmissão de sinal televisivo para aparelhos portáteis, a portabilidade é a veiculação de conteúdo televisivo em aparelhos pessoais como celulares, por exemplo.

Com essa possibilidade de levar o conteúdo, e a própria TV, para um ambiente diverso do doméstico há uma mudança de paradigmas: os conteúdos, os formatos e a duração não podem ser os mesmos dos aparelhos convencionais. Há mudança nos quesitos de disponibilidade, atenção, tamanho de tela e legibilidade que devem ser levados em conta na transposição, ou antes, na construção do conteúdo a ser exibido nos dispositivos móveis. A televisão, a partir da tecnologia digital, ingressa na cultura da mobilidade, da qual, as mídias tradicionais, como o rádio e jornal já fazem parte.

A importância de se trabalhar a linguagem, segundo Vicente Gosciola (2003), está presente em cada obra hipermidiática desde o momento de sua roteirização, até na estrutura dos links e as possibilidades de intervenção. Negroponte (1995) afirma que uma das características do digital é justamente superar o duelo entre volume e profundidade. Isso porque o “querer saber mais” é parte integrante da multimídia, presente na base da hipermídia.

Mas, há necessidade de um trabalho maior e mais aprofundado na linguagem usada pelas emissoras nessa programação via aparelhos móveis. A simples transcrição do conteúdo que é veiculado no aparelho televisor para as mídias móveis limita o entendimento dos públicos, além de negar as especificidades do meio.