Dissertações

TÍTULO
Televisão digital brasileira: um estudo sobre processos comunicativos e avanços tecnológicos

AUTOR
Mateus Dias Vilela

RESUMO
Este trabalho tem como objeto de pesquisa investigar as possibilidades que a tecnologia digital agrega à televisão brasileira através da escolha do padrão japonês de TV digital, ao passo que busca responder em que medida essas possibilidades imprimem melhorias no consumo da televisão pelos públicos. Para tanto, fizemos uma análise da invenção da tecnologia, das primeiras experiências, dos três principais padrões de TV digital – o norte americano, o europeu e o japonês –, bem como tratamos da importância do veículo como fonte de informação e entretenimento. Comentamos a relação estabelecida entre a sociedade, a tecnologia e os meios de comunicação, observando a forma de influência mútua entre os três âmbitos. Abordamos, ainda, o impacto da tecnologia digital sobre a sociedade e os meios de comunicação, sendo a televisão o foco desta pesquisa. Por fim, analisamos as mudanças em nível de resolução de som e imagem, multicanal e multiprogramação, novos suportes e enquadramentos, interatividade, mobilidade e portabilidade na TV digital brasileira.

PALAVRAS-CHAVE
Televisão brasileira. Digitalização. Mudanças. Consumo. – LINK


TÍTULO
Entre a vitimização e a divinização: A pessoa com deficiência em Viver a Vida.

AUTOR
Bruna Rocha Silveira

RESUMO
Em 2009 foi ao ar, pela Rede Globo, a telenovela Viver a Vida, que apresentou uma protagonista com deficiência física. Com esse personagem, os 25 milhões de pessoas com deficiência do país (IBGE, 2010) puderam se reconhecer e reconhecer o seu cotidiano no horário nobre da televisão brasileira. Este trabalho tem por objetivo analisar a representação da pessoa com deficiência na telenovela Viver a Vida. A pesquisa foi construída a partir do modelo de análise multiperspectívica de Douglas Kellner (2001) e do conceito de representação de Stuart Hall (1997a). Para tanto, realizamos, primeiramente, um mapeamento de todos os personagens com deficiência física em telenovelas brasileiras, produzidas pela Rede Globo, situando a análise em uma perspectiva histórica de representações de pessoas com deficiência nesse gênero televisivo. Por entender que o discurso da telenovela está relacionado com a sociedade em que está inserido, selecionamos reportagens sobre a pessoa com deficiência física que foram veiculadas durante o período de exibição da telenovela (de 01/09/2009 à 01/06/2010), nas revistas Veja e Época, nos jornais Zero Hora e Folha de São Paulo e nos meios voltados para o segmento de pessoas com deficiência, revista Sentidos e jornal Na Luta. Por fim, analisamos a representação da pessoa com deficiência na telenovela Viver a Vida, tendo em vista o processo sócio-histórico de construção do que é a deficiência, tratando a deficiência associada com a ideia de normalidade, sua historicidade e sua inclusão no meio social. Com a personagem Luciana, de Viver a Vida, temas como acessibilidade, direitos das pessoas com deficiência e inclusão social foram discutidos na telenovela, que, com tal visibilidade, ganharam espaço de discussão na sociedade. Ainda que apresente, em alguns momentos, um olhar pendular entre a vitimização e a divinização, Viver a Vida desestabiliza a visão que se tem sobre a pessoa com deficiência, ao apresentar uma personagem que busca ter uma vida comum numa sociedade que ainda não está preparada para conviver com as deficiências.

PALAVRAS-CHAVE
Representação. Pessoa com deficiência. Telenovela. Comunicação. – LINK


TÍTULO
Comunicação e Imaginário: Getúlio Vargas nas Redes Sociais

AUTOR
Tauana Mariana Weinberg Jeffman

RESUMO
Em uma era de transformações tecnológicas e simbólicas, a pós-modernidade encontra seu fervor. Nesta, o arcaico e o desenvolvimento tecnológico entra em sinergia, o tempo retorna e, assim, os mitos encontram-se presentes na atualidade, narrando histórias e condutas, dando ritmo à vida e integrando-se ao cotidiano social. Nessa era, o mundo reencontra-se e reecanta-se, o vertical passa a ser horizontal e os laços sociais deixam de ser apenas de solo e sangue, formando-se simbólica e emocionalmente. É nesse contexto que compreendemos a presença de Getúlio Vargas nas redes sociais. Para tanto, adentramos na história do ex-presidente e das ações comunicacionais desenvolvidas em seus governos. Buscamos referências teóricas para trabalharmos as noções de mito e imaginário. Averiguamos o desenvolvimento presenciado na era digital, onde a era da cultura de massa passa a ser a era da cultura digital. Observamos a convergência das mídias e o papel da tecnologia, da internet e da cultura em tal transformação. A internet transforma-se e deixa de ser encarada exclusivamente como um meio, onde as mensagens apenas transitam de um emissor para um ou mais receptores. Nesse contexto, as redes sociais tornam-se nossas praças. É neste local que as tribos se encontram, interagem, conversam, concordam ou divergem. É onde os laços sociais passam a existir, ou são fortalecidos. A sociedade brasileira está nas redes sociais e Getúlio Vargas também, pois, entre conversas e interações, imaginários são compartilhados e nutridos, mitos são revividos, histórias são contadas, e o cotidiano é falado e observado. É nessas praças (aldeias), que os grupos (tribos) que apreciam ou repudiam o ex-presidente se encontram. Getúlio Vargas caracteriza-se como o totem dessas tribos, venerado e apedrejado. Equipando-se de um olhar generoso, que busca o conhecimento comum para compreender as diferentes perspectivas sobre o nosso objeto de estudo, analisamos tais tribos, compreendemos suas visões de realidade e suas emoções, apresentadas em suas publicações e conversações.

PALAVRAS-CHAVE
Comunicação. Imaginário. Mito. Getúlio Vargas. Redes Sociais. – LINK